Sacerdote responde afirmação de Thammy Gretchen: “A Igreja não é obrigada”!


Caríssima Thammy Miranda, no uso da minha liberdade religiosa e do ofício sacerdotal que desempenho, e tendo visto seu pronunciamento público veiculado pelo Jornal Extra no dia de ontem, 8 de março, sobre o seu desejo de ser madrinha de batismo, quero expressar a minha orientação.


Julgo ser necessário manifestar-me, pois trata-se da fé da minha Igreja e isso gerou dúvidas entre muitos católicos, que inclusive a senhorita talvez possa ter também.

LEIA TAMBÉM: [Thammy diz que vai ser padrinho de um menino e diz que Igreja Católica é obrigada a aceitar]

Antes de tudo, isso está muito aquém de ser uma questão de preconceito e acolhida, trata-se de matéria de fé. A religião goza de liberdade perante o estado democrático para determinar as regras internas de sua vida moral correspondente ao seu credo. E mesmo que uma constituição não o reconhecesse, isso permaneceria um direito próprio do ato de crer do ser humano enquanto um ente dotado de consciência.

Não sei se sabe, assim como muitos católicos às vezes não o sabem, mas a Igreja tem uma espécie de “constituição” com as normas de fé as quais os bispos e padres devem obedecer sem hesitação, pois eles não estão acima das normas da fé, uma vez que são servos dela. Este conjunto normativo chama-se Código de Direito Canônico. Numa breve pesquisa pela internet até se consegue este livro em PDF para download.

E o que diz lá sobre os padrinhos de batismo!?

Cânon 872 – Ao batizando, enquanto possível, seja dado um padrinho, a quem cabe acompanhar o batizando adulto na iniciação cristã e, junto com os pais, apresentar ao batismo o batizando criança. Cabe também a ele ajudar que o batizado leve uma vida de acordo com o batismo e cumpra com fidelidade as obrigações inerentes.

LEIA TAMBÉM: [10 atitudes que devem ser assumidas pelos padrinhos de batismo]

Cânon 874 – § 1. Para que alguém seja admitido para assumir o encargo de padrinho, é necessário que:

1° – seja designado pelo batizando, por seus pais ou por quem lhes faz as vezes, ou, na falta deles, pelo próprio pároco ou ministro, e tenha aptidão e intenção de cumprir esse encargo;

O pároco local de acordo com a lei canônica deverá julgar cada caso. Note-se o uso da palavra “aptidão” no final do 1° parágrafo do inciso 1. O que significa? Que há critérios de fé a serem julgados pelo sacerdote antes de admitir padrinhos para o batismo. Ademais, diz que eles “devem ter a intenção de cumprir esse encargo”, que é a missão de ensinar a fé integralmente com todas as suas exigências. Observe ainda que é dito no final do Cânon 872 que o padrinho “deve levar o batizado a ter uma vida de acordo com o batismo“, isto é, dando o padrinho ou madrinha testemunho ao viver de fato a fé e ajudando o batizado “a cumprir com fidelidade as obrigações inerentes“, que em outras palavras significa ensinar o que pede a Igreja para uma vida de cristão-católico. É com base nesses dados que o sacerdote irá julgar a aptidão de ser padrinho ou madrinha. Ele poderá negar o direito de sê-lo ou permitir segundo a lei da Igreja.

LEIA TAMBÉM: [Você é madrinha ou padrinho? Sabe o que isso significa?]

Portanto, não se trata de uma mera questão documental de seu nome social como disse na reportagem. Pois essa é uma das questões menos relevantes ao processo, embora importante documentalmente. E não! A Igreja não tem obrigação de aceitar você como madrinha de batismo. A fé é da Igreja, o sacramento é católico e supõe leis católicas, e não se pode confundir de modo algum com direitos civis.

Como pároco, diversas vezes por obrigação de fé que tenho, tive que negar o direito até mesmo de casais heterossexuais de serem padrinhos pois viviam maritalmente sem estarem casados na Igreja, o que para a Igreja é um estado de pecado grave. O que quero dizer é que não tem nada a ver com preconceito, pois nem mesmo casais tradicionais que estejam em pecado têm direito de achar que a Igreja seja obrigada a aceitá-los como padrinhos.

Um casal heterossexual, mesmo em pecado de fornicação, poderia pedir o batismo do seu filho(a), mas não poderia ser padrinho de uma criança enquanto não regularizar sua situação. Um casal homossexual pode pedir o batismo de seu filho(a) adotivo, mas também não pode ser padrinho de uma criança à semelhança do primeiro caso. Por que pode uma coisa e não pode outra? Porque o batismo é direito da criança em si, e não dos pais, por isso independente dos pais estarem numa condição de pecado, a criança tem seu direito preservado. E para ser padrinho ou madrinha o direito é reservado à autoridade da Igreja que tem total liberdade de escolher quem vai participar de sua missão evangelizadora e catequética.

LEIA TAMBÉM: [Bebê fica 20 minutos “sem vida” e reage após ser batizada]

Ser padrinho significa dar testemunho de vida, e alguém numa vida de pecado, segundo à doutrina da Igreja, fica incapacitado de dar aos demais um exemplo de vida cristã. Pois a fé não é só um sentimento ou uma idéia bonita das coisas, e sim um modo de viver conforme os mandamentos revelados por Deus.

Ao menos que eu esteja enganado e desatualizado de qualquer informação, sabemos publicamente pela mídia que você tem um relacionamento com outra mulher, chamada Andressa Ferreira. Respeitamos o seu livre arbítrio e a senhorita tem o direito de fazer o que quiser de sua vida. Só que frente a doutrina da Igreja, com base naquilo que está revelado nas Escrituras e pelo que devemos de obediência à doutrina apostólica, a sua condição atual configura-se um pecado. Ora insisto e reitero: de acordo com as nossas obrigações de fé.

Não entenda-se aqui minhas colocações como algo pessoal, ou como acusação e julgamento, e sim como mera constatação objetiva como representante da fé. Eu não tenho poder e autoridade para me opôr a esses elementos do credo, simplesmente posso aplicá-los e orientar os fiéis em suas dúvidas.



Ora, dada essa condição, a senhorita estaria impedida de exercer o encargo de ser madrinha até regularizar a sua situação de vida mediante às obrigações de fé da Igreja. Isto é, não significa que você nunca poderá ser madrinha de ninguém, mas que nesta condição atual há um impedimento objetivo, assim como muitos casais heterossexuais em pecado também estão impedidos desse encargo.

LEIA TAMBÉM: [O poder do batismo: um bebê agonizante volta à vida]

Lembramos que as portas da Igreja estão abertas a todos e que ela acolhe sem fazer acepção de pessoas, como Cristo. Já quanto a participar de sua missão, como é o caso dos padrinhos, exige muito mais das pessoas do que o simples desejo de ser acolhido e compreendido, demanda uma conversão profunda de fé que leva a radicais mudanças de paradigmas para corresponder integralmente ao credo católico. E para insistir nesse ponto, repito: a Igreja tem o direito de escolher quem participará de sua missão e quem ainda não está apto para isso.

Creio que a senhorita compreenderá positivamente minhas palavras como pessoa de bem que é, uma vez que sei que ama a defesa dos direitos e da liberdade, e a Igreja tem o direito a sua liberdade religiosa. É saudável num estado democrático prestar vênia à liberdade religiosa e ao uso pleno das faculdades que tem de iniciar, admitir, e até mesmo negar determinadas demandas a alguém quando está em jogo a integridade do credo e verdadeira compreensão da fé.

Termino dizendo que meu intento foi unicamente dar a orientação segundo o que ensina nossa fé Católica Apostólica Romana com a finalidade de dar ciência a senhorita e aos fiéis que levantaram durante todo dia de ontem numerosos questionamentos em nossas mídias católicas. Creio que essa orientação servirá para todos os outros casos em que se possam aplicar estes princípios normativos.

Eu rezo por você e pelos seus. E desejo-lhe a paz de Cristo. Com estima fraterna, Padre Augusto Bezerra.

via Padre Augusto Bezerra

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS


Comentários

k75 disse…
parabéns o batismo é coisa seria.falou tudo padre
Toninha Dutra disse…
parabéns padre pela explicação.. pra começar vale lembrar que o Tamy nunca deve ter se quer entrado numa igreja católica já que sua mãe é conhecidamente evangélica o que se entende que ele provavelmente não é se quer batizado na igreja católica ..a opição sexual dele não o credencia a achar que a igreja é obrigada a fazer o que ele julga correto..
a
Claudia Cardoso disse…
Muito bem explicado muita coerência na resposta de ser "obrigada" e sobre casais tbm hetero poderem ser recusados mas, há questões como casais q vivem juntos na mesma casa como casal mas q não saíram totalmente da casa dos pais e q por isso não dirão q moram juntos, portanto... E há casais q estão de acordo c as normas da igreja oficialmente mas q esconde casos d adultério entre outras coisas e como nao demonstram, serão aceitos como padrinhos, mas...
Marcos disse…
Que absurdo que li! Puro preconceito velado e hipocrisia! Todos somos filhos de Deus e somos iguais perantes Ele. Não existe filho D'Ele mais ou menos amado. A igreja católica é a mais pecadora de todas, só estudar sobre a inquisição para se ter uma breve ideia. Fui criado no catolicismo (hoje sou espiritualista) e me envergonho desse tipo de pessoa que se diz padre/pastor de pessoas. Condena-se pecado amar alguém do mesmo sexo (vide sermos espiritos sem sexo no plano espiritual), mas todos os dias temos casos de pedofilia envolvendo padres, casos de traição em famílias com sacerdotes sendo o "outro", corrupção com dinheiro da igreja e etc. Só para refrescar a memória nessa semana foi descoberto que 40 padres mantiveram orgias com garotos de programa no Vaticano. O que ainda mantém a igreja católica é o Papa Francisco, um espírito de uma envergadura espiritual incrível, pessoa iluminada! Portanto, menos hipocrisia, pessoal!
Rodrigo Sartorio disse…
Padre, gostei muito da explicação,sou evangelico, e creio na fé em cristo jesus,e na palavrade Deus, revelada em cristo, nao podemos deixar que essas pessoas venham distorcer nossa fé, e distorce a verdade, todos tem o direito de fazerem suas escolhas, mas o que nao podem é fazer das suas escolhas erradas algo como se fossem certo.

Diácono Rodrigo Sartorio
Marcia disse…
Explicou bem padre, em minha opniao , lembrando e minha opniao, blz,acho que cada um tem que se por no seu lugar, nao querendo obrigar ao proximo a aceitar aquilo que nao se e bem visto aos olhos de Deus!!
Ler a biblia e interesante, nunca vi falando que a familia tradicional seria obrigada a aceitar a homosexualidade, como coisa normal, entendam as pessoas podem respeitar porq sao obrigados por lei, mas nao quer dizer que sao obrigadas a ceitar!!!
Maddu Silva disse…
Ótima explicação, padre!
A Igreja Católica tem suas leis, quem não quiser seguir: saia da igreja...e não fique de blá, blá, blá. Simples! Quem conhece verdadeiramente o que é a Santa Igreja Católica, duvido abandoná-La! Eu jamais trocaria a Fé Católica, que me dá Jesus Eucarístico por nenhuma outra! <3
#OrgulhodeSerCatólica <3