VÍDEO: as últimas horas do Papa João Paulo II


Era um ato de fé. Na quarta-feira, 30 de março, quando levamos um grupo de 20 meninas para a Praça de São Pedro, não sabíamos se veríamos o Santo Padre. Parecia improvável. Pouco antes de sairmos com o grupo Rose Round para Girls para uma peregrinação a Roma e Assis, patrocinado pelo Instituto Chesterton, vimos a transmissão de Urbi et Orbi. Tínhamos visto o Papa tentar dar a benção final em sua própria voz. Nós o vimos falhar. Este grande homem, uma vez que um atleta, forte e incansável, gradualmente despojado de cada presente natural, agora estava despojado de seu último atributo. Não sabendo que, se ele voltasse a aparecer, tropeçamos, a bandeira de Santa Teresa flutuando diante de nós e cantou Panis Angelicus às 10h50 na Praça de São Pedro para honrar o Ano da Eucaristia que o Santo Padre instituiu.



Poucos minutos depois, as cortinas se abriram, e para nossa surpresa, ele estava lá, na janela. Um cardeal leu uma breve mensagem do Papa, mencionando especialmente os jovens que estavam na praça. Ele terminou com a benção. O Santo Padre levantou a mão e fez o sinal da cruz. Nós o ouvimos dizer, naquela sombra de uma voz que era tudo o que ele deixara: Amém. Então todos aplaudiram, aplaudiram. As meninas saltaram para cima e para baixo, acenaram com as mãos, sua pequena bandeira. "Giovanni Paolo, Giovanni Paolo", cantaram os jovens de Milão, uma e outra vez. Foi o rugido de apoio que a multidão dá a um atleta, correndo até a linha de chegada em uma corrida de longa distância. E ele, a figura em branco em sua cadeira de rodas, continuou a mover a mão direita nessa benção, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, uma e outra vez. Outro movimento da voz que quase desapareceu, uma tentativa final de falar, e depois acabou. Ele foi afastado.

Na manhã de sexta-feira, visitamos o cardeal Stafford, a quem devemos saber quando era o prefeito do Conselho para os Leigos. Ele conversou com as meninas sobre a comunhão que se experimentaria em uma peregrinação, uma comunhão tornada possível apenas pelo fato de que recebemos o Corpo de Cristo juntos. Você também deveria ser uma eucaristia, ele disse. Você também deve ser uma ação de graças. Vocês que recebem Cristo na Eucaristia, devem ser portadores dele um para o outro e para o mundo. Ele nos disse que o Santo Padre agora estava gravemente doente e nos conduziu em oração por ele. Nós decidimos que o mais importante agora era se concentrar no Santo Padre, para oferecer-lhe o que poderia ser a solidariedade. Nós descartamos a visita às catacumbas e voltamos para São Pedro.



Quando chegamos lá ficamos chocados por ver tão poucas pessoas. Imaginamos que a praça ficaria cheia. Espontaneamente, nos ajoelhamos e rezamos o rosário. A polícia nos pediu para levantar. Demos uma última olhada naquela janela. Nós dissemos adeus. Em Assis, no sábado, decidimos ter uma Hora Santa para orar pelo Santo Padre. Às 9 horas, as crianças se aglomeraram na capela da pousada. Depois que o Santíssimo Sacramento foi exposto, a fila para o confessionário se multiplicou. A atmosfera de oração foi palpável. As lágrimas fluíram. As feridas foram expostas, a graça de cura a ser concedida. As redes estavam cheias. No final, deixei a capela com algumas garotas que precisavam de atenção. Estávamos no dormitório quando os sinos começaram a tocar. Foram 10h. Naquele momento, nosso capelão levantou a custódia para dar a bênção abaixo. As crianças no andar de cima começaram a chorar de novo. Parece tudo errado, disse uma garota. Quem está cuidando da Igreja agora? Lembrei-lhes da bondade paterna e da atenção que o cardeal lhes mostrou no dia anterior.




Há muitos pais como esse entre os cardeais, eu disse. Muitos padres gostam disso entre os sacerdotes. Não tenha medo. Todos voltaram para a capela novamente. Nós dissemos as orações pelos mortos. Nós cantamos Ubi Caritas, lentamente, sete vezes. Como São Francisco, nós nos recomendamos ao único Pai que nos deu todos os pais, que nos deu seu único Filho para ser nosso viaticum. E aquele Filho estava lá conosco, no caminho de Emaús, enquanto avançávamos para a Festa da Divina Misericórdia, a festa que o Pai agora escolheu para associar irrevogavelmente com seu amado criado, Karol Wojtyla. Os vôos de anjos o cantam para o seu descanso.

Traduzido Amen
Via Nossa Senhora cuida de mim


COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS


Comentários