A consagração e a perseverança


São Luís Maria nos ensina que a consagração a Virgem Maria é um meio admirável de perseverança na vida cristã.

São Luís Maria Grignion de Montfort afirma, no seu livro “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”, que a consagração a Jesus Cristo pelas mãos da Virgem Maria é um meio admirável para perseverarmos na virtude e sermos fiéis. Segundo ele, a maior parte das pessoas não perseveram em suas conversões porque, ao invés de “ir de virtude em virtude e de alcançar novas graças, perdem muitas vezes as poucas virtudes e graças que possuem” (TVD 173). Perdemos facilmente as graças recebidas porque estamos corrompidos pelo pecado e, por isso, somos fracos e inconstantes. Confiamos em nós mesmos, nas nossas próprias forças, nos julgamos capazes de guardar o nosso tesouro de graças, nossas virtudes e nossos méritos. Porém, não somos capazes e, como consequência, acabamos perdendo tudo facilmente. Mas, diante dessas nossas fraquezas, o que podemos fazer?
Para não perdermos os tesouros recebidos de Deus, devemos confiar estes à Virgem Maria, pois sabemos que ela é fiel. Por meio da consagração, entregamos a ela “todos os nossos bens da natureza e da graça” (TVD 173). Confiamos na sua fidelidade, no seu poder, na sua misericórdia e na sua caridade, para que ela conserve e aumente as nossas virtudes e os nossos méritos, apesar dos esforços que o demônio, o mundo e a carne fazem para os roubar de nós. Pela consagração, dizemos a Maria, como bons filhos à sua mãe e fiéis servos à sua senhora: Guardai o nosso depósito! (cf. 1 Tm 6, 20).
Nós precisamos confiar nosso tesouro a Nossa Senhora para perseverarmos em nossa busca pela santidade. Nos confiemos inteiramente a Virgem Maria, como ensina São Luís: “Minha boa Mãe e Senhora, reconheço que, por Vossa intercessão, recebi até hoje mais graças de Deus do que merecia. A minha triste experiência me ensina que trago este tesouro num vaso muito frágil, e que sou demasiado fraco e miserável para o conservar em mim: ‘Sou novo e desprezado’ (Sl 118, 141). Recebei, por favor, em depósito, tudo quanto possuo, e conservai-o por Vossa fidelidade e poder. Se me guardardes, nada perderei; se me sustentardes, não hei de cair; se me protegerdes, estarei ao abrigo dos meus inimigos” (TVD 173).
São Luís de Maria nos apresenta o pensamento de São Bernardo, em relação a Santíssima Virgem, para gravar em nosso espírito esta prática de devoção: “Quando Ela vos sustém, não caís, quando vos protege, nada temeis; quando vos conduz, não vos cansais; quando vos é favorável, chegais ao porto da salvação” (TVD 174). Segundo São Luís, São Boaventura nos ensina que Nossa Senhora impede que as suas virtudes, méritos e graças se percam, e que os demônios nos façam mal.
Assim, para perseverarmos na busca da virtude e sermos fiéis até o fim, somos chamados a seguir o exemplo dos santos, como São Luís Maria, São Bernardo, São Boaventura e tantos outros santos e santas, que se confiaram inteiramente à Virgem Maria. Pois, se nos consagramos a ela sem reservas, Nossa Senhora cuidará de nós e de tudo que nos pertence, especialmente nossos bens espirituais. Consagremos a Nossa Senhora toda a nossa vida, nossos bens materiais e espirituais. Dessa forma, perseveraremos mais facilmente no caminho que conduz ao seu Filho Jesus Cristo e à vida em plenitude com Ele no Reino dos Céus.
Fonte: CN

Comentários

Anônimo disse…
Linda!