Padre Fábio de Melo crítica saidinha de Alexandre Nardoni da prisão


Padre Fábio de Melo defende fim das ‘saidinhas’ de presos e recebe críticas e apoio no Twitter.



De acordo com ele, a saidinha no Brasil “deveria ser concedida somente no dia de finados” para que os presos “visitassem os túmulos dos que eles mataram”; grupo ideológicos reagiu ao post. 



Nesta quinta-feira (8), o padre Fábio de Melo utilizou o seu Twitter para criticar a “saidinha temporária” de presos brasileiros.


O sacerdote utilizou como exemplo a notícia veiculada amplamente pela mídia de que Alexandre Nardoni, na data de hoje (8), recebeu o benefício de deixar a prisão para comemorar o Dia dos Pais mesmo após ter sido condenado pela morte da filha de 5 anos.

De acordo com ele, a saidinha no Brasil “deveria ser concedida somente no dia de finados” para que os presos “visitassem os túmulos dos que eles mataram”.

A publicação do padre repercutiu nas redes sociais e imediatamente recebeu críticas de grupo ideológicos.

Alguns internautas acusaram o padre de “não conhecer a bíblia”.

Para os ativistas, a benesse faz parte do processo de ressocialização e deve ser mantida na legislação brasileira.

Um rapaz chegou a declarar que a posição do padre seria “doentia”.



Em resposta, Fábio de Melo respondeu: “Doentio é matar a filha, jogar pela janela, e ano depois sair da prisão para comemorar o dia dos pais”.

Em outra publicação, ele comentou sobre as críticas que recebeu por conta de sua opinião.

“É o grupinho da discordância, resultado nefasto da era da problematização. Sabem perfeitamente que a indignação pública é um fato. Não estamos questionando o que a lei permite. Estamos indignados é com o que a lei permite”, finalizou.

FAÇA SUA DOAÇÃO PARA MANTER ESSA OBRA DE EVANGELIZAÇÃO:

EVANGELIZE COMPARTILHANDO NAS REDES SOCIAIS:

Comentários

  1. Estou de acordo com o Padre Fábio,eu sei que Deus manda perdoar,mas ninguém tem o direito de tirar a vida do outro , muito menos dum inocente,neste caso a própria filha, é triste.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário