Um grande segredo de Santa Rita de Cássia, das causas impossíveis


Dois amigos e eu havíamos decidido ir à cidade de Cássia, por quê? Queríamos ver o corpo incorrupto de Santa Rita, que é venerada em todo o mundo. 



Nosso automóvel logo deixou a Cidade Eterna e tomamos a auto-pista rumo aos montes Apeninos, na Umbria. Apenas, cento e trinta quilômetros separam Roma de Cassia. Nesse trajeto fomos brindados com uma paisagem de sonho. 



Desfilavam diante de nossos olhos campos adormecidos por causa das primeiras neves e revestiam-se de luz e paz. Ao longe contemplávamos silhuetas de casas com suas plantações de vinhas , desenhadas caprichosamente, por mãos de um misterioso artista. Das chaminés saiam fumaça, que dançavam no céu de um azul sem par, naquela tarde.

Talvez o primeiro milagre por intercessão de Santa Rita tenha acontecido, num ambiente semelhante, mas na primavera. Seus pais levavam-na, numa cesta de vime, quando iam trabalhar na lavoura. Deixavam-na, à sombra, embaixo de uma árvore.

Certo dia um amigo da família durante o trabalho feriu-se com a foice. Aconselhado pelos pais de Rita foi procurar um riacho para poder lavar a ferida. No caminho encontrou a menina que dormia tranquilamente, mas chamou-lhe a atenção que um enxame de abelhas rodeavam a pequena. 

Alarmado, começou a espantar os insetos, esquecendo-se do seu ferimento. De repente olhando à sua mão, viu que estava completamente curada...

Fomos recebidos, ao chegar ao Santuário, pelos sinos que tocavam a oração do Angelus, pois eram seis horas da tarde. Nossos corações batiam mais fortes! Estávamos a uns passos de nossa querida santa das causas impossíveis.

Num lindo esquife a encontramos e dormia sono dos justos. Revestida com o hábito agostiniano, as mãos repousadas sobre uma almofada, como também os pés. Em um deles percebia-se uma deformação, por causa de uma doença reumática que a fez sofrer muito durante a vida.

Paz, muita paz reinava ali! As pessoas se aproximavam serenas e faziam suas preces, seus pedidos em silêncio, como quem tem medo de acordar Marguerita, assim era seu nome de batismo.

Para nós o tempo parou... Estávamos há mais de cinco séculos de sua morte, sua vida, seus milagres. Duas pequenas localidades foram o palco da ação de Deus: Roccaporena, onde nasceu em 1381 e viveu como filha, esposa e mãe e em Cassia onde viveu como religiosa e entregou à sua vida a Jesus Crucificado em 1456.

Ambas as cidades guardam relíquias dessa alma eleita.

Queria ser freira, mas por obediência aos pais, casou-se. Um matrimônio, que durou dezoito anos, onde por causa de seu marido, feroz e não temente a Deus, sofreu muito. Ela orava por Paolo que acabou convertendo-se, mas os inimigos do passado acabaram por assassina-lo.

Seus filhos João Tiago e Paulo Maria queriam vingar a morte do pai. Então Rita pediu a Deus que os levassem, antes que cometessem um pecado mortal. Foi ouvida e ambos morreram uma semana, após suas preces. Encontra-se na casa natal de Santa Rita, em Rocccaporena, uma linda frase na parede: O ódio matou o esposo de Santa Rita e o amor matou seus filhos!.

Despojara-se de seus bens, dando-os aos pobres e agora estava só, havia perdido tudo. Ela foi procurar no convento das irmãs agostinianas aquele seu primeiro amor, que sempre e com mais intensidade ardia em seu peito. Era impossível ser aceita pelas freiras, por muitos motivos. Por três vezes bate à porta do convento, e por três vezes recebe através da superiora um não.


Volta à sua casa em Roccaporena, não desiste. Ela sabe que para o amor nada é impossível! Reza, reza e reza... E numa noite ouve que alguém bate em sua porta e a chama: Rita! Rita! Rita! Ao abrir encontra São João Batista, São Nicolau de Tolentino e Santo Agostinho. Eles levam-na até Convento em Cassia.

Ao encontra-la rezando, na capela, as religiosas sabiam que não poderia lá ter entrado, sem a mão de Deus, pois todas as portas estavam trancadas Santa Rita foi recebida como religiosa. Inicia-se uma nova fase de sua vida mística, que sempre teve. Por obediência faz florescer um ramo seco de uma videira,a qual era obrigada a regar todos os dias, e existe até hoje dando uvas. Ela recebe de Jesus Crucificado a mais bela joia que rainha pode adornar a fronte: um espinho da Paixão. E pouco antes de sua morte, pede a um parente que vá até seu jardim, em Roccaporena e lhe traga uma rosa e dois figos. O pedido era inusitado, pois era inverno e nada florescia. Fez-se como mandava a santa e encontrou-se uma linda rosa e dois belos figos.

O tempo passou rápido e precisamos voltar a Roma, mas em nossas almas ouvimos como que um segredo: Meus filhos, Eu estarei junto de cada um lhes protegendo! Ide e levai as almas aflitas, desesperadas, que já perderam a esperança esse recado: Eu sou Santa Rita, das causas impossíveis! Confiança, meus filhos, confiança!

Por Lucas Miguel Lihue

Nos ajude na evangelização compartilhando nas redes sociais!

COMPARTILHE

Comentários

Unknown disse…
Santa Rita de Cassia. Volvei as sua bênção às minhas orações. Amém!🙏
Unknown disse…
sou devota.Salve Santa Rita
Unknown disse…
Santa Rita de Cassia e rogai a Jesus, por mim por minha saúde, que nos exames que farei não de nada de anormal o Santa milagrosa confio em ti obrigado.
Leila Reis disse…
Santa Rita de Cássia, leve nossos pedidos a Jesus! Minha alma clama por um milagre!