Heleno, morto na Catedral de Campinas, percorria 30 km por mês para agradecer a cura do câncer da esposa


Baleado no tórax e no abdômen pelo homem que abriu fogo dentro da Catedral Metropolitana de Campinas nesta terça-feira, 11/12, o aposentado Heleno Severo Alves, de 84 anos, morreu na tarde desta quarta-feira, 12/12, segundo a prefeitura da cidade. 



Ele era a única vítima do ataque que ainda permanecia internada. Além do idoso e do atirador , Euler Fernando Grandolpho, que se matou, outros quatro fiéis morreram na terça-feira, dentro da Igreja. 



Heleno foi levado para o Hospital Municipal dr. Mario Gatti, onde foi internado na Unitade de Terapia Intensiva (UTI) após passar por uma cirurgia.

Desde que a esposa se curou de um câncer, Heleno saía todo mês de ônibus de Indaiatuba, no interior de São Paulo, para a catedral de Campinas, a quase 30 quilômetros de distância. Devoto de Nossa Senhora da Conceição, padroeira da cidade e santa que dá nome à catedral, ia para pagar uma promessa feita quando a mulher adoeceu. A data era todo dia 20. Atrasou-se no mês passado, e acabou chegando à catedral no mesmo dia e hora escolhidos pelo atirador Euler Grandholfo.

A família lembra de "Seu Louro", como era chamado, como um herói. Ele foi alvejado ao tentar proteger uma mulher que estava na mira do atirador. Tentou conversar com ele, enquanto a mulher conseguiu fugir. Familiares dizem que ele sempre foi "um guerreiro".

- É simples descrever meu avô, moça. Um pernambucano de sangue quente que lutou para criar a família. Ajudou e tentou ajudar sempre todo mundo, mesmo com todos os altos e baixos que toda família tem. Nunca esmoreceu - emocionou-se no IML de Campinas o neto de Heleno, Marcos Bruno Alves da Silva.

Segundo a família, a mulher de Heleno insistiu para que ele não fosse à catedral desta vez. Que deixasse mais para frente, já que já tinha se atrasado para o dia que costumava ir. Mas ele não quebrava uma promessa.

- Era um marido teimoso, mas que amava minha avó. Cresci dormindo entre eles, para que minha mãe pudesse trabalhar. Nunca faltou amor - disse Marcos.Jandira Prado Monteiro, sobrevivente do ataque a catedral de Campinas, recebe alta do hospital. 

No início da tarde, antes que a morte de Heleno fosse confirmada, o hospital informou que outra vítima, Jandira Prado Monteiro, de 65 anos, teve alta. Ela foi atiginda no tórax e na mão. Ela estava na Catedral com seu filho, Sidnei Monteiro, que morreu no ataque .

via O Globo
COMPARTILHE

Comentários

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário