A espiritualidade do Natal

imagem do nascimento de Jesus

Conceitos tradicionais marcam a comemoração e a troca de votos natalinos neste mundo consumista. 



Oferecem-se produtos e bens até de modo sufocante nesta época. Mas o conceito bíblico conveniente à celebração cristã da festa é a paz! Na língua hebraica, a raiz dessa palavra passa a ideia de: acabamento, plenitude, perfeição. O shalom bíblico (paz) é a totalidade dos bens. Difícil traduzir em outras línguas. O menino que vai estabelecê-la, quando nascer, será chamado: “Príncipe da paz”. (Isaías 9,6). Fruto da vinda do Messias, “a obra da justiça será a paz”, alicerce do futuro reino messiânico (Isaías 32,17).




As três letrinhas da palavra encerram o anseio universal de vida digna, justa e pacífica, o bem-estar para toda pessoa. Em todos os tempos, raças e culturas, os povos querem desfrutar das conquistas da paz. Na realidade, ela não é um estado de convivência sem problemas. Não se trata de alcançar a vitória política, a estabilidade econômica, o gozo estático dos prazeres etc. Segundo a Palavra de Deus, paz é desejar e viver na felicidade constante, material e espiritualmente. Isso exige dinamismo e luta.

Nos projetos, na política e na mídia, a paz deve ser mais do que ausência de perturbações, violência e guerra. A paz armada é um mal. Quando Cristo veio, o império romano dominava a Europa firmado na convicção bélica: “Se queres a paz, prepara a guerra"! Roma e outros reinos passaram. Deixaram milhões de mortos, feridos e incapacitados. A lógica das armas pode triunfar, mas não cria justiça e fraternidade.

O anúncio da vinda e reinado de Jesus foi recebido por pastores, indefesos guardas noturnos de rebanhos. Manifestou-se a glória de Deus, que oferecia na terra a paz aos homens por ele amados, não armados (Lc 2,14).

Nasceu o Messias esperado. Na véspera da morte na cruz, Jesus se despediu dos discípulos: “Eu vos deixo a paz; eu vos dou a minha paz. Não como a dá o mundo. Que vosso coração não se perturbe, nem tenha medo”. (Jo 14,27).

Ora, findo o processo eleitoral e a transição de governo no Brasil, em 1º de janeiro de 2019, Dia mundial da Paz e da Confraternização entre os Povos, inicia-se novo período executivo e legislativo. Fake news alimentaram a disputa com uma intolerância estúpida. Ideologias semearam uma síndrome alarmante de beligerância. Será que vão persistir as atitudes não-democráticas e a resistência obstinada e hostil ao novo governo? Aí não haverá paz! A política partidária exacerbada não produz amigos; apenas divide vencedores e perdedores. Compromete a paz social e a cidadania.


No rosto humano de Jesus, resplandeceu sobre nós a face de Deus, a sua paz! Seguir o Cristo é observar os fatos sem oposição raivosa e sem adesão cega a ideologias, porque seguimos o Príncipe da Paz! O Mestre qualifica seus discípulos como filhos de Deus, se forem construtores da paz (Mt 5, 9).

via A12

Nos ajude na evangelização compartilhando nas redes sociais. 
FAÇA SUA DOAÇÃO PARA MANTER ESSA OBRA:

EVANGELIZE COMPARTILHANDO NAS REDES SOCIAIS:

Comentários