A carta preciosa do Papa João Paulo II para as Mulheres


"A cada uma de vocês eu dirijo esta carta, sob o sinal da solidariedade e da gratidão": São João Paulo II e sua preciosa Carta às Mulheres.



“A cada uma de vocês eu dirijo esta carta, sob o sinal da solidariedade e da gratidão“: assim começa a famosa Carta do Papa São João Paulo II às Mulheres, de 29 de junho de 1995, Solenidade de São Pedro e São Paulo.

LEIA TAMBÉM: [Oração pelas Mulheres | Dia da Mulher]

A carta foi escrita por ocasião da IV Conferência Mundial sobre a Mulher, realizada em Pequim em setembro daquele mesmo ano, e é uma mostra da visão e da proposta cristã a respeito da mulher no meio de um mundo desnorteado e confuso, com ideias das mais dispersas sobre quem é o ser humano, seja mulher, seja homem.

Apresentamos aqui somente um extrato muito significativo dos primeiros parágrafos, focados simples e singelamente em agradecer!

O ponto de partida deste diálogo ideal não pode ser senão um obrigado (…).

Obrigado ao Senhor pelo seu desígnio sobre a vocação e a missão da mulher no mundo, torna-se também um concreto e directo obrigado às mulheres, a cada mulher, por aquilo que ela representa na vida da humanidade.

Obrigado a ti, mulher-mãe, que te fazes ventre do ser humano na alegria e no sofrimento de uma experiência única, que te torna o sorriso de Deus pela criatura que é dada à luz, que te faz guia dos seus primeiros passos, amparo do seu crescimento, ponto de referência por todo o caminho da vida.

Obrigado a ti, mulher-esposa, que unes irrevogavelmente o teu destino ao de um homem, numa relação de recíproco dom, ao serviço da comunhão e da vida.

Obrigado a ti, mulher-filha e mulher-irmã, que levas ao núcleo familiar, e depois à inteira vida social, as riquezas da tua sensibilidade, da tua intuição, da tua generosidade e da tua constância.

Obrigado a ti, mulher-trabalhadora, empenhada em todos os âmbitos da vida social, económica, cultural, artística, política, pela contribuição indispensável que dás à elaboração de uma cultura capaz de conjugar razão e sentimento, a uma concepção da vida sempre aberta ao sentido do « mistério », à edificação de estruturas económicas e políticas mais ricas de humanidade.



Obrigado a ti, mulher-consagrada, que, a exemplo da maior de todas as mulheres, a Mãe de Cristo, Verbo Encarnado, te abres com docilidade e fidelidade ao amor de Deus, ajudando a Igreja e a humanidade inteira a viver para com Deus uma resposta « esponsal », que exprime maravilhosamente a comunhão que Ele quer estabelecer com a sua criatura.

Obrigado a ti, mulher, pelo simples facto de seres mulher!Com a percepção que é própria da tua feminilidade, enriqueces a compreensão do mundo e contribuis para a verdade plena das relações humanas.

Mas agradecer não basta, já sei…

LEIA TAMBÉM: [8 mulheres que foram exemplares para a Igreja e o mundo]

Quer continuar a ler essa carta preciosa de um Santo Papa a cada mulher?

Continue diretamente no site oficial do Vaticano, e em português: 


via Aleteia
COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS


Comentários