A eficácia do Santo Rosário


Nossa Senhora teria ensinado o Santo Rosário a São Domingos de Gusmão, no século 12, que, a pedido do Papa Gregório IX, deveria combater os terríveis hereges cátaros na França. Com a oração do Rosário, São Domingos teria convertido cerca de cem mil deles. 

Há muito tempo os papas valorizam e recomendam vivamente a oração do Rosário, especialmente os últimos papas, sobretudo a partir das aparições de Lourdes (1858) e Fátima (1917). Em Fátima, Nossa Senhora disse aos Três Pastorinhos que “não há problema de ordem pessoal, familiar e nacional que a oração do Terço não possa ajudar a resolver”. 




Leão XIII (1878-1903), em tempos difíceis, dedicou ao Rosário dezesseis documentos eclesiais: onze encíclicas; uma constituição apostólica; três cartas apostólicas, entre outros. Paulo VI dedicou três documentos ao Rosário: a encíclica Mense (29 de abril de 1965) recorda que “Maria é caminho para Cristo e isto significa que o recurso contínuo a ela exige que se procure nela, para ela e com ela, Cristo Salvador, ao qual nos devemos dirigir sempre”. 

No dia 10 outubro de 2010, o Papa Bento XVI também destacou a importância dessa oração: “A oração mais querida pela Mãe de Deus e que conduz diretamente a Cristo”. "O Rosário é a oração bíblica, totalmente tecida pela Sagrada Escritura. É uma oração do coração, em que a repetição da 'Ave-Maria' orienta o pensamento e o afeto para Cristo. É oração que ajuda a meditar a Palavra de Deus e a assimilar a Comunhão Eucarística, sob o modelo de Maria, que guardava em seu coração tudo aquilo que Jesus fazia e dizia, e sua própria presença".

Na carta apostólica de João Paulo II "Rosarium Virginis Mariae" ele declara: "Percorrer com Ela [Maria] as cenas do Rosário é como frequentar ‘escola’ de Maria para ler Cristo, penetrar nos seus segredos, compreender a sua mensagem". O Rosário pode promover o ecumenismo, afirmou o saudoso Pontífice. 

No dia 7 de outubro de 2007, Bento XVI nos convidou a rezar o Rosário pela paz nas famílias e pela paz no mundo. «É a mensagem que a Virgem deixou em suas diferentes aparições». 





«Penso, em particular – confessou da janela de seu apartamento –, nas aparições de Fátima, ocorridas há 90 anos, nos Três Pastorinhos, Lúcia, Jacinta e Francisco, aos quais se apresentou como ‘a Virgem do Rosário’, e aos quais recomendou com insistência a oração do Rosário todos os dias, para se alcançar o fim da guerra». 

Em visita a Pompeia, em 18 outubro 2008, Bento XVI disse o seguinte sobre o Rosário: «O Rosário é oração contemplativa, acessível a todos: grandes e pequenos, leigos e clérigos, cultos ou pouco instruídos». «O Rosário é “arma” espiritual na luta contra o mal, contra a violência, pela paz nos corações, nas famílias, na sociedade e no mundo». 

Por todos esses motivos, afirmou João Paulo II que “o Rosário é a minha oração predileta (...). Ao mesmo tempo o nosso coração pode encerrar nestas dezenas do Rosário todos os fatos que compõem a vida do indivíduo, da família, da nação, da Igreja e da humanidade. Vicissitudes pessoais e vicissitudes do próximo e, de modo particular, daqueles que estão mais próximos de nós, que nos são mais queridos. Assim a simples oração do Rosário bate o ritmo da vida humana”. 

Felipe Aquino

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

LEIA TAMBÉM:

NOSSO APLICATIVO: