Hoje é celebrado São Juan Diego, o vidente da Virgem de Guadalupe


“Amado Juan Diego, a ‘águia que fala’! Ensina-nos o caminho que conduz para a Virgem Morena de Tepeyac, para que Ela nos receba no íntimo do seu coração, dado que é a Mãe amorosa e misericordiosa que nos orienta para o Deus verdadeiro”, disse João Paulo II na canonização de São Juan Diego, o vidente da Virgem de Guadalupe, cuja festa é celebrada neste 9 de dezembro.


Segundo a tradição, São Juan Diego nasceu em 1474 em Cuauhtitlán, então reino de Texcoco, pertencente ao grupo étnico de chichimecas, e hoje território do México. Seu nome era Cuauhtlatoatzin, que na sua língua materna significava “águia que fala” ou “aquele que fala como uma águia”.
Sendo adulto e pai, sentiu-se atraído pela doutrina dos sacerdotes franciscanos que chegaram ao México em 1524 e foi batizado com sua esposa Maria Lucia. Os dois se casaram como cristãos, mas, tempo depois sua esposa faleceu.
Em 9 de dezembro de 1531, apareceu a ele em um lugar chamado Tepeyac, a Virgem Maria, que se apresentou como “a perfeita sempre Virgem Maria, Mãe do verdadeiro Deus”. A Virgem encomendou que, em seu nome, solicitasse ao Bispo, o franciscano Juan de Zumárraga, a construção de uma igreja no local da aparição.


O Bispo não aceitou a ideia e a Virgem lhe pediu para insistir. No dia seguinte, Juan Diego voltou a encontrar o Prelado, que o examinou na doutrina cristã e pediu provas concretas da aparição.
No dia 12 de dezembro, a Virgem lhe apareceu novamente e o consolou, convidando-o a subir ao topo da colina de Tepeyac para colher flores e trazê-las para ela. Apesar da temporada de inverno e da aridez do local, São Juan Diego encontrou flores muito bonitas e colocou-as em sua “tilma”, um tipo de manta típico da região. A Virgem, em seguida, ordenou-lhe que apresentasse essas flores ao Bispo.
Estando na frente do prelado, o santo abriu sua “tilma” e deixou cair as flores. No tecido, apareceu a imagem da Virgem de Guadalupe, que desde então se tornou o coração espiritual da Igreja no México e uma das maiores devoções marianas que permanece com força até hoje.


São Juan Diego, com a permissão do Bispo, foi morar em uma casa pobre ao lado do templo da “Senhora do Céu”. Limpava a capela e acolhia os peregrinos que visitavam o local, onde hoje se encontra um grande templo.
O leigo São Juan Diego foi para a Casa do Pai em 1548 e gozou de tanta estima que seus contemporâneos costumavam dizer: “Que Deus te faça como Juan Diego”. Ele foi beatificado por João Paulo II em 1990 e canonizado pelo Papa peregrino em 2002.

Via ACI
COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS


Comentários

LEIA TAMBÉM:

NOSSO APLICATIVO: