Este ensinamento de João Paulo II mudará sua vida


Ele não apenas o ensinou, ele o viveu, mesmo como um famoso papa viajando pelo mundo.

O Papa João Paulo II levou uma vida extraordinária. Desde o seu tempo como um jovem sacerdote na Polônia de 1950, sobrevivendo às brutalidades do comunismo para se tornar um papa amado que regularmente atraiu multidões em centenas de milhares, ele era uma das pessoas mais famosas e influentes de sua geração.



No meio de tudo isso, no entanto, ele nunca perdeu seu toque pessoal. Por exemplo, quando ele foi baleado por Mehmet Ali Agca em uma tentativa de assassinato em 1981, ele mais tarde visitou a prisão para perdoar pessoalmente o homem. Ele também era bem conhecido em seus dias mais jovens para se dirigir para retiros com pequenos grupos de amigos ou paroquianos profundamente nas montanhas onde eles tinham muito tempo para vínculo pessoal.

É importante dizer que ele se dedicou a manter relacionamentos individuais, mesmo quando carregados com as crescentes responsabilidades de servir a Igreja. Eu sou apenas um pároco com muito menos exigências na minha atenção do que ele, mas há noites que estou tão cansado que eu entro no meu quarto, fecho a porta e aborreço em Netflix. É admirável que um homem tão grande como João Paulo II conseguiu fazer tempo para encontros pessoais quando teria sido fácil perder-se na ocupação e agitação do Vaticano.

A vontade de fazer tempo para a amizade parece estar diminuindo para muitos de nós. Claro, as mídias sociais são conectivas a seu modo, mas qualquer pessoa honesta sabe que se deslocar através de um feed de mídia social não é o mesmo que ter uma conversa cara-a-cara. É por isso que muitas pessoas, quando perguntadas, afirmam achar nossa era tecnológica desumanizadora.





Existem muitos outros fatores que nos levam a se conectarem aos outros. A maneira como nos dividimos nos campos de "nós" e "eles" com tanta frequência, especialmente nas mídias sociais. Ou o caminho dos longos dias de trabalho com longa troca de todas as nossas energias. É tão fácil passar muitos dias sem nenhuma conexão humana real.

É por isso que João Paulo II é tão fascinante. Por causa de quão inteligente e ocupado ele estava, você pensaria que ele só teria alguns amigos próximos ou que ele iria se esforçar para permanecer conectado às pessoas. Mas isso não parece ser o caso, e as pessoas que o encontraram sempre sentiram que ele lhes havia dado toda a atenção. Ele era claramente intencional ao chegar e fazia questão de conhecer pessoas. Debaixo do genio e em todos os seus muitos livros e ensinamentos, este grande homem estava fazendo um único ponto de mudança de vida: cada pessoa merece ser amada.



Em seu livro Amor e Responsabilidade, ele escreve: "O justo devido a uma pessoa deve ser tratado como um objeto de amor, não como um objeto de uso". Isso é válido para cada encontro que temos com outra pessoa, seja um membro da família , um colega de trabalho, um amigo, um estranho ou um inimigo.

A maneira como João Paulo II viveu sua própria vida é um exemplo dessa vez. Para ele, o problema com a ascensão da tecnologia, a politização de tudo, ou investir muito tempo no trabalho, é que eles atravessam fronteiras filosóficas, mas que objetivam as pessoas.

Para realmente conhecer uma pessoa, precisamos pausar e aproveitar o tempo para nos conectar pessoalmente. A vida de São João Paulo II mostra que uma vida feliz não é sobre aderir a qualquer ideologia ou provar ser direta ou bem-sucedida - trata-se de pessoas. Toda pessoa importa. Toda pessoa é valiosa. Conexão e amizade são as formas em que honramos isso.

Traduzido Amen
Via Nossa Senhora cuida de mim

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Comentários