Charlie Gard: Outorgam cidadania permanente nos Estados Unidos a ele e a sua família


Câmara dos Representantes aprovou outorgar a cidadania permanente ao bebê Charlie Gard e a sua família nos Estados Unidos, para prosseguir o tratamento experimental à doença que sofre e que atraiu a atenção do mundo inteiro.


“Acabamos de aprovar uma lei que outorga a cidadania permanente a #CharlieGard e sua família para que Charlie possa receber o tratamento médico que requer”, tuitou em sua conta o congressista Jeff Fortenberry no dia 8 de julho.
Charlie foi diagnosticado com síndrome de esgotamento mitocondrial, uma doença genética rara que se acredita que afeta apenas 16 crianças em todo o mundo. A doença causa fraqueza muscular progressiva e pode causar a morte durante o primeiro ano de vida.
Os pais de Charlie, Chris Gard e Connie Yates, inicialmente buscaram levar seu filho aos Estados Unidos para o tratamento experimental e arrecadaram mais de um milhão de dólares para cobrir os custos médicos e da viagem.


Entretanto, o hospital buscou bloquear seu pedido, alegando a pouca qualidade de vida do bebê. O Tribunal Superior da Grã-Bretanha se expressou a favor do centro médico, indicando que a terapia experimental poderia causar sofrimento e apenas prolongaria o processo da morte.
Os pais apelaram a decisão diante do Tribunal europeu de Direitos Humanos e, após o rechaço da medida, o hospital pediátrico do Vaticano, como o Papa Francisco, expressaram seu apoio a Charlie.
“O Santo Padre acompanha com afeto e emoção o caso do pequeno Charlie Gard e manifesta a sua proximidade aos seus pais”, lê-se em um comunicado de 2 de julho, publicado pelo porta-voz do Vaticano, Greg Burke.


“Ele reza por eles, fazendo votos de que não seja negligenciado o seu desejo de acompanhar e cuidar do próprio filho até o fim”, assinalou.
Em 30 de junho, dia que estava programado para que o suporte vital de Charlie fosse retirado, o Papa usou seu conta no Twitter para enviar uma clara mensagem pró-vida a favor do bebê: “Defender a vida humana, sobretudo quando está ferida pela doença, é um dever de amor que Deus confia a todos”.
Depois de um pedido assinado por mais de 500 mil pessoas na plataforma internacional pró-vida CitizenGo, Michio Hirano, o médico norte-americano cujo tratamento experimental foi buscado pelos pais de Charlie Gard, viajou no dia 17 de julho a Londres, Reino Unido, após um juiz determinar que poderia examinar o bebê e conversar com os médico britânicos responsáveis pela saúde do pequeno.
Em 14 de julho, o especialista em doenças mitocondriais e miopatias genéticas aceitou viajar para examinar Charlie pessoalmente, no hospital Great Ormond Street.

Via ACI
COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Comentários

Antonio Monteiro disse…
Gracas,a Deus estou felis por,eles todos,em,especial pelo,bebe que,tera os pais ao seu lado!