Pe. Fábio de Melo abre o jogo e fala a respeito de decisão da Igreja de batizar filhos de casal gay


Talvez um dos grandes problemas da sociedade atual seja a questão dos estereótipos. Cada vez mais, as pessoas formulam seus pensamentos com base em preconceitos, generalizações e senso comum - os famosos achismos. E dentre estas máximas está a deturpada visão de que os católicos abolem os homossexuais e vice-versa. Por causa de minorias, cria-se uma imagem que é atribuída a todos.



Em Curitiba, o arcebispo local José Antônio Peruzo realizou o batismo dos filhos adotados por um casal gay e quem se manifestou a respeito do assunto foi o Padre Fábio de Melo durante participação no programa "Encontro com Fátima Bernardes", da TV Globo.
Quando Fátima questionou se isso demonstra um passo maior de aceitação da igreja como um todo, o padre foi enfático em seus comentários: "Como o Papa mesmo afirmou, ainda que as regras não sejam modificadas, o acolhimento ao outro não passa pelas regras. Independente de opção política, sexual, não temos o direito de rejeitar quem quer que seja".

O padre também comentou que "retirar os obstáculos culturais e sociais que afastam as pessoas de Deus é meu papel como padre, não ser fiscal".





O caso comentado pelo Padre Fábio de Melo envolve o casal Toni Reis e David Harrad, que desde 1990 luta ativamente pela luta em prol da causa LGBT. A cerimônia de batismo ocorreu na capital paranaense, na catedral Nossa Senhora da Luz dos Pinhais. "Sempre digo que é nos caminhos mais difíceis, achamos as melhores frutas. No fim, eles acabaram sendo batizados na basílica, uma das igrejas mais lindas", comentou o Padre Elio Dall'Agnol, que celebrou a cerimônia. 

Via Best Of Web
COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS


Comentários

DOUGLAS HENRIKI disse…
A igreja não é uma defensora de culturas e gêneros e sim defensora da verdade da fé e da fidelidade, é não pode ir contra si sendo a favor do pecado a nação da Babilônia foi exterminada por causa dessa aberração de homem com homem é mulher com mulher. Mais o batismo é para todos, isso não quer dizer que a Igreja apoia o movimento LGBT.