A reflexão do Papa Francisco sobre a missão da Virgem Maria


Antes da oração do primeiro Ângelus de 2017, na Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus, o Papa Francisco destacou o importante papel da Virgem no plano salvífico o Senhor.
“Jesus nasceu de uma mulher para uma missão de salvação e sua mãe não foi excluída dessa missão, pelo contrário, é associada intimamente a esta missão”, indicou o Santo Padre, diante dos 50.000 fiéis que, segundo a Gendarmaria Vaticana, estavam reunidos na Praça de São Pedro no domingo, 1º de janeiro.


“Nos últimos dias, voltamos o nosso olhar de adoração ao Filho de Deus, que nasceu em Belém. Hoje, Solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria, voltamos os nossos olhos para a Mãe, mas acolhendo um e outro em estreita união”, indicou o Pontífice.
“Esta ligação – continuou – não se exaure no fato de ela ter gerado e no fato de Ele ter sido gerado. Maria é consciente disso e não se fecha em sua relação materna com Jesus, mas permanece aberta e observa tudo o que acontece ao redor Dele: conserva e medita, analisa e aprofunda, como nos recorda o Evangelho de hoje”.
Maria, ressaltou o Pontífice, “deu seu ‘sim’ e se disponibilizou a ser envolvida na realização do plano de salvação de Deus, ‘que dispersa os soberbos de coração, derruba do trono os poderosos e eleva os humildes; aos famintos enche de bens, e despede os ricos de mãos vazias’. Agora, silenciosa e atenta, procura entender o que Deus quer dela a cada dia”.
Francisco se centrou no significado da visita dos pastores à Sagrada Família, pois “oferece a ocasião de ver algum elemento da vontade de Deus que se manifesta na presença dessas pessoas humildes e pobres. O Evangelista Lucas nos fala da visita dos pastores à gruta com verbos que expressam movimento: eles foram às pressas e encontraram Maria e José, e o Menino, o veem, referem o que Dele tinha sido dito, e glorificam a Deus”.


Do mesmo modo, sublinhou como “Maria acompanha atentamente esta passagem, o que dizem os pastores, o que aconteceu a eles, pois vê nela o movimento de salvação que surgirá da obra de Jesus, e se adapta, pronta para qualquer pedido do Senhor”.
“Deus pede a Maria não somente para ser a mãe de seu Filho Unigênito, mas também para colaborar com o Filho e para o Filho no plano de salvação a fim de que nela, serva humilde, se cumpra as grandes obras da misericórdia divina”.
“Desta maneira, enquanto, como os pastores, contemplando o ícone do Menino nos braços de sua Mãe, sentimos aumentar em nosso coração um sentido de reconhecimento imenso por Aquela que deu ao mundo o Salvador”, concluiu o Papa Francisco. 

Via Aci
COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS NO FACEBOOK  
CLICANDO NO BOTÃO COMPARTILHAR ABAIXO: