Nesta noite, Igreja canta a alegria do nascimento de Jesus


“Ó Noite Santa, tão esperada, que uniste para sempre Deus e o homem! Tu nos renovas a esperança. Tu nos enches de assombro extasiante. Tu nos garantes o triunfo do amor sobre o ódio, da vida sobre a morte”. Essas foram palavras ditas pelo Papa João Paulo II, na celebração da Missa da Noite de Natal, em 24 de dezembro de 2003.

É esta noite, descrita em poucas palavras pelo agora santo, que a Igreja vive hoje. Os cristãos se preparam para, à meia-noite, cantar a alegria do nascimento de Jesus, Deus que se faz homem e vem ao mundo trazer a salvação a todos.
“O Verbo se fez carne”, diz o Evangelho de João (Jo 1,14). E, conforme assinalou São João Paulo II em 2003, “nesta noite extraordinária o Verbo eterno, o ‘Príncipe da paz’, nasce na fria e miserável gruta de Belém”. O Menino Deus se fez “pobre entre os pobres”.
Após o Seu nascimento, relata o evangelho desta noite (Lc 2,1-14), Ele foi colocado em uma manjedoura. Pastores que tomavam conta de seu rebanho receberam o anúncio do anjo de que havia nascido o Salvador. A Boa-Nova foi seguida pelo louvor do coro celeste: “Glória a Deus no mais alto dos céus, e paz na terra aos homens por ele amados”.
Ao comentar este trecho do Evangelho, na noite de Natal de 2012, o Papa Bento XVI, ressaltou que “onde não se dá glória a Deus, onde Ele é esquecido ou até mesmo negado, também não há paz”.
Nesse sentido, Bento XVI expressou um pedido ao Menino Jesus, que se faz atual nos dias de hoje, onde são crescentes os casos de violência.
“Sim, Senhor, anunciai a paz também hoje a nós, tanto aos que estão longe como aos que estão perto. Fazei que também hoje das espadas se forjem foices, que, em vez dos armamentos para a guerra, apareçam ajudas para os enfermos. Iluminai a quantos acreditam que devem praticar violência em vosso nome, para que aprendam a compreender o absurdo da violência e a reconhecer o vosso verdadeiro rosto. Ajudai a tornarmo-nos homens ‘do vosso agrado’: homens segundo a vossa imagem e, por conseguinte, homens de paz”.