Fraldas, Jesus e o Batman


“Querida, Jesus não se preocupa com sua fralda”.
Eu disse isso há alguns anos para minha filha mais velha. Tenha em mente que não estou realmente orgulhoso disso. Nós estávamos saindo da missa, e ela parou no corredor, bloqueando um número de paroquianos idosos, e começou a tagarelar sobre sua fralda.
Isso foi há muitos anos e já foi corrigido.



A questão é que, como um idiota, soltei um comentário sarcástico para uma criança. Se tivesse realmente escutado sua conversa incoerente, teria percebido que ela estava tentando me dizer que sua fralda estava caindo. Pobre criança, se apenas tivesse um pai atencioso.

Eu não queria ouvi-la reclamar no fim da Missa, porque eu já tinha ouvido seu grito, choro e bagunça durante a celebração. Isso, em poucas palavras, são minhas experiências de ir à Igreja ao longo desses quase 20 anos e provavelmente continuará sendo, pelo menos, na próxima década.

Ter filhos foi uma das grandes experiências que me levou a permanecer na Igreja em tudo. Ter um bebê é uma maneira de nos dizer para obter o nosso agir em conjunto com Deus. A dificuldade é que agora gasto quase toda a hora não na devoção piedosa, mas como presidindo um número de circo. Meu Deus.

Uma vez que a criança começa a andar, acaba qualquer vantagem espiritual que se poderia ter na missa. Elas correm para cima e para baixo no corredor, gritam, choram, mordem. Temos de ir para trás da igreja, mas não que isso acalmará o bebê. Não, levo o bebê para trás para que ninguém me veja sendo derrotado por uma criança.

As crianças ficam mais velhas e então começam a prestar algum tipo de atenção. Isso não significa que elas ajam melhor. Aqui estão algumas das orientações que dou aos meus filhos mais velhos aos domingos:

“Sai do chão”, “Pare de cutucar o nariz”, “Não lamba o hinário”, “Não lamba o banco”, “Não lamba os outros”, “Tire o dedo do nariz”.

Isto é, em uma boa semana.

Recentemente, durante a oração do Senhor, que em nossa igreja é cantada por muitas pessoas, ouvi uma das minhas filhas tomar um caminho totalmente diferente:

Nós: “Pai nosso, que Estais no Céu, santificado seja o Vosso Nome”.

Ela: “Scooby Dooby Doo, onde está você? Você tem um trabalho a fazer agora”.

As meninas, pelo menos, tentam agir mais discretamente na igreja. Elas cantam canções para si ou sussurram algo umas com as outras.



Os meninos são outro caso. Este ano, quando um pai estava batizando um filho, o padre perguntou algo cuja resposta era justamente a palavra “batismo”. Meu menino, então com 18 meses de idade, ouviu isso e respondeu, gritando, “Batman!”. Ele gosta do Batman. Ele se sentiu confiante em compartilhar com todos o seu gosto.

Em algum momento as crianças acabarão por compreender o que está acontecendo na missa e apreciarão. Vamos continuar levando-as à missa. Quer dizer, o que mais importante eu poderia fazer no domingo?

Damien Fisher é jornalista e pai de uma grande famíliaSeu trabalho pode ser encontrado em damientfisher.wordpress.com

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS NO FACEBOOK CLICANDO NO BOTÃO COMPARTILHAR ABAIXO:

LEIA TAMBÉM:

NOSSO APLICATIVO: