Como iniciar bem o Ano Novo


Preparar tudo bem é necessário, mas sem jamais cair na tentação de querer encerrar e pilotar a liberdade do Espírito Santo
Nos últimos dias do ano que se encerrou, muitas empresas entraram em balanço, algumas até fechando as portas por um período, com levantamento de seu movimento nos meses precedentes. Cabe depois planejar o novo ano de trabalho, com os necessários detalhes que lhes possibilitem continuar suas atividades. A Igreja não é uma empresa no sentido corrente da palavra e no entanto está sempre “aberta para balanço”. Nunca fecha suas portas e está sempre pronta a avaliar seu caminho percorrido, verificar sua situação atual e planejar os passos a serem dados. Ao iniciar-se um novo ano, a Igreja quer oferecer-nos elementos para um caminho seguro, a ser percorrido com a luz da fé que nunca falha.


Há poucos dias o Papa Francisco convidou seus colaboradores a uma corajosa revisão de vida, identificando quinze “enfermidades” que podem existir nos ambientes de trabalho da própria Igreja e ao mesmo tempo abrindo horizontes para que outras pessoas e grupos reconheçam suas falhas e olhem para frente, deixando-se curar. Na ocasião, o Papa pronunciou palavras que estimulam o esforço sincero de quem quer rever sua vida e dar novos passos, conduzido pela graça: “É o Espírito Santo que sustenta todo esforço sincero de purificação e toda boa vontade de conversão. É ele que nos faz compreender que todo membro participa da santificação do corpo ou do seu enfraquecimento. É ele o promotor da harmonia: ‘Ele mesmo é a harmonia’, diz São Basílio. Santo Agostinho nos diz: ‘Enquanto uma parte aderir ao corpo, a sua cura não é desesperada; mas o que foi cortado não pode nem curar-se nem sarar’. O restabelecimento é também fruto da consciência da doença e da decisão pessoal e comunitária de tratar-se, suportando pacientemente e com perseverança a terapia. Somos chamados, portanto a viver “pela prática sincera da caridade, crescendo em todos os sentidos, naquele que é a Cabeça, Cristo. É por ele que todo o corpo – coordenado e unido por conexões que estão ao seu dispor, trabalhando cada um conforme a atividade que lhe é própria – efetua esse crescimento, visando à sua plena edificação na caridade” (Ef 4,15-16).
No entanto, toda revisão é capaz de ver também o que existe de positivo. Olhamos para o passado com gratidão e reconhecimento, identificando as muitas graças que nos foram oferecidas por Deus. Os cristãos são chamados a serem o povo da memória, certos das maravilhas operadas pelo Senhor, repetindo com alegria “Até aqui o Senhor nos ajudou” (1 Sm 7,12). Olhar para trás e reconhecer o bem que foi feito por nós e pelas outras pessoas é humanamente saudável e coerente com a nossa vida cristã. A edificação recíproca de quem valoriza os passos dados é fundamental para crescermos como pessoas e como cristãos autênticos.
Outro ângulo da compreensão da vida e de seu sentido é o momento presente. Sabendo que a cada dia basta o seu cuidado, somos convidados a viver bem cada momento, sem nos preocuparmos com o dia de amanhã, buscando em primeiro lugar o Reino de Deus e sua justiça, pois todas as coisas são dadas por acréscimo (Cf. Mt 6, 33-34). Cuidar de amar a Deus e ao próximo cada dia mais e de novo é receita de equilíbrio para todos. Ter uma visão realista das pessoas e dos fatos, sem carregar excessivamente nas emoções, dar a devida atenção a cada pessoa que se apresenta a nós, sem nos dissiparmos em fazer muitas coisas, que acabam mal feitas.
Uma das “enfermidades” elencadas pelo Papa Francisco no Discurso à Cúria Romana foi chamada de ‘martalismo’, que vem de Marta, ou seja, diz o Papa, “daqueles que mergulham no trabalho, descuidando, inevitavelmente, ‘a melhor parte': sentar-se aos pés de Jesus (Cf. Lc 10, 38-42). Por isto Jesus chamou os seus discípulos a descansar um pouco (Cf. Mc 6, 31) porque descuidar do descanso necessário leva ao estresse e à agitação. O tempo do descanso, para quem levou a termo a sua missão, é necessário, obrigatório e deve ser lavado a sério: no passar um pouco de tempo com os familiares e no respeitar as férias como momentos de recarga espiritual e física; é necessário aprender o que ensina o Livro do Eclesiastes, que ‘para tudo há um tempo'” (Ecl 3, 1-15). Para muitas pessoas, tal recomendações são como uma canção, quando buscam um tempo de férias no primeiro mês do ano!



Mas a Igreja quer abrir nossos olhos também para o futuro, fazendo-nos responsáveis pelos nossos trabalhos, dedicados a fazer o bem, homens e mulheres de esperança. Os primeiros dias do ano não nos encontrem ávidos de adivinhações, mas prontos a fazer o bem, de acordo com a vocação, estado de vida e possibilidades concretas na construção da sociedade. Enxergar longe, horizonte aberto, planejamento realista do que vamos fazer neste ano, tudo muito correto. Mas é ainda a palavra de Papa Francisco que nos ilumina, para darmos com serenidade estes passos: “existe a doença do planejamento excessivo e do funcionalismo. Quando se planeja tudo minuciosamente e se pensa que, fazendo um perfeito planejamento, as coisas efetivamente progridem, tornando-se, assim, um contador ou um comercialista. Preparar tudo bem é necessário, mas sem jamais cair na tentação de querer encerrar e pilotar a liberdade do Espírito Santo, que é sempre maior, mais generosa do que todo planejamento humano (Cf. Jo 3,8). Cai-se nesta doença porque  “é sempre mais fácil e cômodo adaptar-se às suas posições estáticas e imutáveis. Na realidade, a Igreja mostra-se fiel ao Espírito Santo na medida em que não tem a pretensão de regulamentá-lo e de domesticá-lo… – domesticar o Espírito Santo! – … Ele é frescor, fantasia, novidade”. Que preciosidade posta à nossa disposição justamente nesta virada do ano!
Passado, presente e futuro, vividos com a serenidade de quem acredita que Deus é o Senhor do Tempo! Para ajudar-nos mais ainda, uma certeza: o tempo não é contado pelas nossas preocupações, mas acontece quando nos ocupamos do dia a dia. Ele é contado, vale lembrar, pelo nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, cujo aniversário de dois mil e quatorze anos acabamos de celebrar! Encontre-se com ele cada dia em que escrever os algarismos do ano em curso, para edificar, pouco a pouco e na graça de Deus, os dias do ano dois mil e quinze. E se quisermos um modelo de vida para o quotidiano do ano novo, a Igreja põe à disposição a Virgem Maria, na festa de seu título de Mãe de Deus, neste Dia Mundial da Paz.
Dom Alberto Taveira Corrêa

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS NO FACEBOOK CLICANDO NO BOTÃO COMPARTILHAR ABAIXO: