Nossa Senhora, o Escapulário e o Rosário


Descubra qual é a ligação entre a devoção do Escapulário de Nossa Senhora do Carmo e a do Rosário de Nossa Senhora de Fátima.




Existe uma íntima ligação entre a aparição de Nossa Senhora do Carmo a São Simão Stock e a de Nossa Senhora de Fátima aos três pastorinhos e entre as devoções do Escapulário e do Rosário. Nestes aparições, a Virgem Maria deixou-nos os auxílios dessas devoções, que sob estes dois títulos marianos quer nos dar. 
O Escapulário de Nossa Senhora do Carmo e o Santo Rosário da Santíssima Virgem são devoções antigas, que remontam a Idade Média. Estas devoções, ao Escapulário e ao Rosário, que marcam essas aparições da Virgem Maria, são ainda hoje muito queridas por ela para os seus filhos, servos, consagrados e escravos de amor. Pela divina providência, estas devoções foram unidas por Nossa Senhora como um auxílio nas dificuldades, especialmente para os tempos difíceis que vivemos.
Nossa Senhora do Carmo apareceu a Simão Stock, na cidade de Cambridge, na Inglaterra, em 16 de Julho de 1251. Neste dia, diante das grandes perseguições que sofria a ordem dos Carmelitas, da qual fazia parte, Simão Stock recitou a bela oração, por ele mesmo composta: “Flor do Carmelo, Vinha florífera, Esplendor do céu, Virgem fecunda, singular. Ó Mãe benigna, sem conhecer varão, aos Carmelitas dá privilégio, Estrela do Mar!”. Terminada esta oração, tão simples, mas profunda, o Santo levanta os olhos cheios de lágrimas e vê sua cela encher-se de luz. Nossa Senhora aparece-lhe rodeada de anjos, revestida de esplendor, trazendo nas mãos o Escapulário e, com ternura de Mãe, diz: “Recebe, diletíssimo filho, este Escapulário de tua Ordem como sinal distintivo e a marca do privilégio que eu obtive para ti e para todos os filhos do Carmelo; é um sinal de salvação, uma salvaguarda nos perigos, aliança de paz e de uma proteção sempiterna. Quem morrer revestido com ele será preservado do fogo eterno’’. Desde então, o Escapulário de Nossa Senhora do Carmo é um sinal da proteção materna e da consagração à Virgem Mãe de Deus.
Na última aparição de Nossa Senhora de Fátima, na Cova da Iria, em Fátima, Portugal, em 13 de Outubro de 1917, a Virgem Maria liga a espiritualidade do Escapulário com a do Rosário. Logo depois da aparição, surgiram aos três videntes varias cenas: na primeira, ao lado de São José e tendo o Menino Jesus ao colo, a Virgem de Fátima apareceu como Nossa Senhora do Rosário. Em seguida, junto com Nosso Senhor afligido de dores a caminho do Calvário, surgiu como Nossa Senhora das Dores. Por fim, “gloriosa, coroada como Rainha do Céu e da Terra, a Santíssima Virgem apareceu como Nossa Senhora do Carmo, tendo o Escapulário à mão”. A este respeito, perguntaram a Lúcia em 1950: Por que Nossa Senhora apareceu com o Escapulário nas mão? Irmã Lúcia respondeu: “É que Nossa Senhora quer que todos usem o Escapulário respondeu ela”. Providencialmente, em 11 de fevereiro de 1950, o Papa Pio XII nos convida a “’colocar em primeiro lugar, entre as devoções marianas, o escapulário, que está ao alcance de todos’; entendido como veste mariana, esse é de fato um ótimo símbolo da proteção da Mãe celeste, enquanto sacramental extrai o seu valor das orações da Igreja e da confiança e amor daqueles que o usam”.
Segundo a Irmã Maria Lúcia do Imaculado Coração, freira carmelita, a devoção do Escapulário agrada o Coração de Nossa Senhora, por isso ela deseja que esta seja propagada. A devoção do Escapulário faz parte da Mensagem de Fátima, pois certamente o Escapulário e o Rosário são inseparáveis. “O Escapulário é o sinal da consagração a Nossa Senhora. […] Nossa Senhora quer que todos usem o Escapulário”. Ao ser questionada se podemos ter a certeza que a Virgem queria o Escapulário como parte da Mensagem de Fátima, Irmã Lúcia respondeu: “’Sim’, e acrescentou: ‘Agora já o Santo Padre o confirmou a todo o mundo, dizendo que o Escapulário é sinal de consagração ao Imaculado Coração’”. Segundo Lúcia, o Escapulário é uma das cláusulas da Mensagem de Fátima. Trazer o Escapulário é tão importante como a recitação diária do terço. “O terço e o Escapulário são inseparáveis!”.





Dom José Alves Correia da Silva, Bispo de Leiria, em Portugal, que tinha clareza do vínculo entre as devoções do Escapulário e do Rosário, por ocasião do VII Centenário do Escapulário escreveu: “Os antigos guerreiros vestiam-se com uma armadura de ferro para resistirem aos ataques dos seus inimigos, e como nós todos temos de combater os inimigos da nossa alma, porque diz a Sagrada Escritura ‘a vida do homem é uma guerra’, a Santíssima Virgem entregou o emblema do Santo Escapulário para também nos defendermos. […] Nossa Senhora recomendou também às videntes que espalhassem a devoção do Escapulário. Compete-nos, pois, como cristãos, […] a obrigação de nos afervorarmos na devoção do Escapulário. O Escapulário tem privilégios especiais. O primeiro é a promessa que a Santíssima Virgem fez àqueles que o trouxessem e observassem as devidas instruções, que os preservaria do fogo eterno. E claro que deveremos trazer o Escapulário não por orgulho ou superstição, mas por esperarmos, com um sincero sentimento de confiança, que a bondade de Maria Santíssima nos fará a graça da conversão e da perseverança final”.
“Fátima é, portanto, uma confirmação óbvia das antigas devoções do Rosário e do Escapulário de Nossa Senhora do Carmo, ambas vindas da Idade Média, quando o amor por Ela impregnava toda a vida do cristão”. Na Santíssima Virgem Maria, todos encontravam o mais elevado ideal de beleza. Nos voltemos com amor e devoção a estas devoções do Escapulário e do Rosário, que tanto santificaram, e continuam santificando, os fiéis da Igreja. Usemos com fé e devoção o Escapulário e rezemos com fervor e confiança o Santo Rosário. Nossa Senhora do Carmo, rogai por nós!

Via Canção Nova
COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS