Nossa Senhora, auxílio nos sofrimentos

Nossa Senhora é reconhecida na devoção popular e pela Igreja como Auxiliadora dos cristãos, em todos os seus sofrimentos, em todas as suas necessidades.


Nossa Senhora Auxiliadora
Desde o início da Igreja de Cristo, o auxílio de Nossa Senhora é invocado pelos cristãos. A Virgem Maria, Mãe de Jesus Cristo, é conhecida por diversos títulos. Dentre eles, ela é invocada como Auxiliadora dos cristãos. A devoção a Nossa Senhora Auxiliadora começou no século XVI, porém desde o início da Igreja o auxílio da Santíssima Virgem esteve presente na vida e na devoção dos cristãos. A Virgem Auxiliadora é invocada nas mais diversas necessidades, em momentos de sofrimento, de angústia, de solidão, de tribulação, de perseguição. Nestas e em outras situações que fazem, fizeram ou ainda farão parte de nossa vida, temos a dificuldade de dizer “sim” a Deus.

Quando somos visitados pelos sofrimentos, angústias, tribulações, perseguições, temos dificuldade de aceitar a situação. Os primeiros questionamentos que nos vêm são: por que estou sofrendo? Por que isso foi acontecer justamente comigo? O que eu fiz para merecer isso? Questionamentos como esse são comuns a nós, pois temos temor a Deus, o que é saudável, mas ao mesmo temos medo de dizem “sim” a Deus. Nesses momentos, somos chamados a clamar pelo auxílio de Nossa Senhora, que no Espírito Santo disse “sim” ao desígnio da salvação (cf. Lc 1, 38).

A própria Virgem Maria, por temor a Deus, perguntou ao Anjo: “Como acontecerá isso, se eu não conheço homem?” (Lc 1, 34). A pergunta de Nossa Senhora não diz respeito tanto como aconteceria a geração do Filho, mas sim ao fato dela se sentir pequena diante do chamado de Deus. Isso acontece conosco, pois todos somos chamados à santidade, mas nos sentimos pequenos, fracos, limitados. Alguns de nós pode sentir-se chamado a uma vocação religiosa, a alguma comunidade ou movimento, mas nos achamos incapazes de dizer “sim” a Deus.

Além do seu “sim” para ser Mãe do Filho de Deus, a Virgem Maria também disse “sim” a o Senhor em momentos de angústia, de tristeza, de sofrimento, como na apresentação do Menino Jesus no Templo, ocasião da profecia de Simeão (Lc 2,34-35); na fuga para o Egito por causa da perseguição do rei Herodes (Mt 2,13-14); na última das sete dores, quando Nossa Senhora recebe o Crucificado nos braços (Jo 19,40-42a). Nossa Senhora é Nossa Mãe, que vem em auxílio nos momentos de dor, de sofrimento, nos quais não encontramos resposta para nossos questionamentos. Nesses momentos, Maria nos ensina a silenciar e a guardar todas as coisas no coração (cf. Lc 2, 51b).

Assim, em todas as nossas dificuldades, fraquezas, tribulações, angústias, sofrimentos, perseguições, nos confiemos a Nossa Senhora Auxiliadora. Pois, desde os primeiros séculos os cristãos recorrem a Virgem Maria em suas necessidades, especialmente naquelas necessidades mais graves e urgentes. A Mãe de Jesus é Mãe da Igreja, por isso nos confiemos inteiramente a ela, aos seus cuidados, à sua intercessão. Como João, o Discípulo Amado, levemos a Santíssima Virgem para casa (cf. Jo 19, 27), pois ela é nossa Mãe. Fonte: CN